Melhorando a humanidade: justificação das ideias de cunho eugênico em Nietzsche

Ivo da Silva Júnior

Resumo


Este texto tem por objetivo investigar a função estratégica da contraposição categorial entre saúde e doença, que Nietzsche estabelece de forma clara a partir da Gaia ciência. Pretende, com isso, indicar que a crítica à modernidade que o filósofo empreende só se realiza plenamente quando se dá o recurso a essa contraposição. Explora, nessa direção, os desdobramentos de cunho – hoje assim denominados – eugenistas de sua empreitada crítica.


Palavras-chave


saúde; doença; modernidade; eugenismo

Texto completo:

PDF

Referências


FÉRÉ, C. Dégénérescence et criminalité. Essai physiologique, Paris, F. Alcan,1888.

FREZZATTI, W. “Eugenista?”. In: Revista Cult, n. 236, julho 2018, p. 38-40.

LOSURDO, D. Nietzsche - O rebelde aristocrático. Trad. Jaime A. Clasen. São Paulo: Revan, 2009.

MARTON, Scarlett. “Bons sentimentos, venenos da alma”. In: Folhetim, n. 336, março de 1983, p.4-5.

_____. Nietzsche, seus leitores e suas leituras. São Paulo: Barcarolla, 2010.

NASSER, E. “Nietzsche e a morte”. In: Cadernos de Filosofia Alemã, vol. 11, 2008.

NIETZSCHE, F. Kritische Studienausgabe (KSA), 15 vol., Berlin, New York, Walter de Gruyter & Co. 1988.

_____. Aurora. Trad. Paulo César Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

_____. A Gaia Ciência. Trad. Paulo César Souza. São Paulo: Cia das Letras, 2001.

_____. Além do bem e do mal. Trad. Paulo César Souza. São Paulo: Cia das Letras, 1992.

_____. Crepúsculos dos ídolos. Trad. Paulo César Souza. São Paulo: Cia das Letras, 2013.

SALANSKIS, E. “Sobre o eugenismo e sua justificação maquiaveliana em Nietzsche”. Trad. Eder Corbanezi. In: Cadernos Nietzsche, vol. 32, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Ivo da Silva Júnior