O limite do discurso filosófico da Modernidade: o não-consciente em Nietzsche como advento da Contemporaneidade

Vânia Azeredo

Resumo


Neste artigo, procuramos apresentar o não-consciente em Nietzsche, de uma parte, através dos conceitos de impulsos, forças, vontades de potência presentes na noção de corpo como estrutura social de muitas almas. De outra, como ruptura com a Modernidade mediante a recusa do conceito de subjetividade e de qualquer outro elemento organizados dos novos tempos. Por fim, apresentamos Nietzsche como aquele que inaugura a Contemporaneidade sem, contudo, nela habitar.


Palavras-chave


não-consciente; subjetividade; Modernidade; Contemporaneidade

Texto completo:

PDF

Referências


HABERMAS, J. O discurso filosófico da modernidade, Trad. Luiz Repa, Martins Fontes, 2002.

HEGEL, G. Fenomenologia do espírito. Trad. Paulo Meneses. Petrópolis: Vozes, 1992.

_______. Vorlesungen über die Geschichte der Philosophie, Werke in zwanzig Bänden. Band 18, Frankfurt am Main 1979.

HYPPOLITE, J. Gênese e estrutura da fenomenologia de Hegel, Trad. Sílvio Rosa, Discurso, 1999.

KANT, I. Crítica da razão pura, trad. Valério Rohden e Udo B. Moosburger. (Coleção Os pensadores), São Paulo, Abril Cultural, 1980.

NIETZSCHE, F. Assim falava Zaratustra. Trad. Mário da Silva. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981

__________. Aurora, Trad. Paulo César Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

_________. Genealogia da moral. Trad. Paulo C. Souza. São Paulo: Brasiliense, 1987.

_________. Para além de bem e mal. Trad. Paulo C. de Souza. São Paulo: Companhia das Letras.

_________. Sämtliche Werke - Kritische Studienausgabe, edição organizada por Giorgio Colli e Mazzino Montinari. Berlim: Walter de Gruyter & Co., 1967/1978.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Vânia Azeredo