A morte de Deus a partir do §2 do Prólogo de Assim falou Zaratustra

Autores

  • Rodrigo Assumpção UFRRJ

Palavras-chave:

Transformação, Morte de Deus, Zaratustra, Niilismo, Superação

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar o tema da morte de Deus, partindo do §2 do Prólogo de Assim falou Zaratustra. Nossa concepção é a de que a morte de Deus está numa estreita relação de necessidade com o processo de superação vivido pela personagem Zaratustra. Nessa superação, o profeta teve seu estado de ânimo e pensamento modificados, passando de um estado de decadência de força e negação da vida para um estado de elevação, aumento de poder e afirmação da existência. A partir do acatamento da morte de Deus, Zaratustra pode abandonar o niilismo negativo da metafísica e da crença no divino, pode ultrapassar e superar o niilismo do desânimo que está à espreita dos últimos-homens, para, enfim, sobressair a possibilidade da busca por um caminho existencialmente singular de expressão da vontade e de afirmação plena da vida. Essa foi a sabedoria adquirida por Zaratustra, e é exatamente ela que o profeta quer levar ao conhecimento e quer ensinar aos homens.

Referências

CALOMENI, Tereza Cristina B. A proclamação nietzschiana de retorno do trágicodionisíaco. 26 f. Parte da pesquisa de Pós-Doutorado – PUC-Rio. Rio de Janeiro, p. 189-214, [s.d.] Disponível em: <http://oquenosfazpensar.fil.pucrio.br/import/pdf_articles/OQNFP_28_10_tereza_cristina_b_calomeni.pdf>. Acesso

em: 24 jul. 2017.

FINK, Eugen. A filosofia de Zaratustra. Porto: Editorial Presença, 1983.

JULIÃO, José Nicolao. O ensinamento da superação em Assim falou Zaratustra. Campinas, SP: Editora Phi, 2016.

MACHADO, Roberto. Zaratustra, tragédia nietzschiana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

MÜLLER-LAUTER, Wolfgang. Nietzsche, sua filosofia dos antagonismos e os antagonismos de sua filosofia. Tradução: Clademir Araldi. São Paulo: Editora Unifesp, 2009.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. A gaia ciência. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

_____. Assim falou Zaratustra – um livro para todos e para ninguém. Tradução e notas: Mario Ferreira dos Santos. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

_____. Assim falou Zaratustra – um livro para todos e para ninguém. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

_____. Crepúsculo dos ídolos. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

_____. Ecce homo: como alguém se torna o que é. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

_____. Genealogia da moral – uma polêmica. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

_____. Humano, demasiado humano – um livro para espíritos livres. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

_____. Humano, demasiado humano – um livro para espíritos livres, volume II. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia de Bolso, 2017.

STEGMAIER, Werner. Antidoutrinas. Cena e doutrina em Assim falava Zaratustra de Nietzsche. Cadernos Nietzsche, São Paulo, n. 23, p. 11-52, 2009. Disponível em: http://gen.fflch.usp.br/sites/gen.fflch.usp.br/files/u41/CN_25.11-52.pdf>. Acesso em: 30 out. 2017.

SUFFRIN, Pierre Héber. O “Zaratustra” de Nietzsche. Tradução: Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.

Downloads

Publicado

2019-08-21