Three problems with Kuhn’s concept of “crisis”

Paulo Pirozelli

Resumo


O objetivo deste artigo é explorar a noção de “crise” de Thomas Kuhn e indicar algumas de suas dificuldades. Em primeiro lugar, Kuhn define “crise” por meio da noção de “anomalia”, distinguindo esses conceitos de duas maneiras diferentes: categórica e quantitativamente. Ambas as alternativas, no entanto, se mostram problemáticas. A definição categórica se baseia em uma distinção entre “descobertas” e “invenções” que, como o próprio Kuhn admite, é bastante artificial. A definição quantitativa, por sua vez, afirma que as crises são um tipo de anomalia mais profundo. Kuhn, entretanto, não oferece nenhum critério que permita definir de maneira objetiva essa “profundidade” das crises. O segundo tipo de problema está relacionado à aplicação do conceito de “crise”. Aparentemente, Kuhn atribui crises a indivíduos tanto quanto a comunidades. Por fim, há o problema da função das crises. Em The Structure of Scientific Revolutions, elas são apresentadas como uma pré-condição para as revoluções científicas. Em artigos posteriores, no entanto, Kuhn parece vê-los apenas como um antecedente comum das revoluções.



Palavras-chave


Thomas Kuhn, Crise, Anomalia, Revolução Científica, Filosofia da Ciência

Texto completo:

PDF

Referências


HOYNINGEN-HUENE, P. Reconstructing scientific revolutions. Chicago: Chicago University Press, 1993.

KUHN, T. S. The structure of scientific revolutions. Chicago: University of Chicago Press, 2012, 1962.

KUHN, T. S. Reflections on my critics. In: The road since structure. Chicago: University of Chicago Press, 2000, 1970a. p. 123–175.

KUHN, T. S. Postscript. In: The structure of scientific revolutions. 2a. ed. Chicago: University of Chicago Press, 2012, 1970b. p. 163–208.

KUHN, T. S. Objectivity, value judgment, and theory choice. In: The essential tension: selected studies in scientific tradition and change. Chicago: University of Chicago Press, 1977. p. 320–339.

KUHN, T. S. Possible worlds in history of science. In: The road since structure. Chicago: University of Chicago Press, 2000, 1989. p. 58–89.

KUHN, T. S. The road since structure. In: The road since structure. Chicago: University of Chicago Press, 2000, 1991. p. 90–105.

KUHN, T. S. Afterwords. In: The road since structure. Chicago: University of Chicago Press, 2000, 1993. p. 224–252.

LAUDAN, L. Progress and its problems: towards a theory of scientific growth Berkeley & Los Angeles: University of California, 1977.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Paulo Pirozelli