O papel da desigualdade e dos interesses materiais na dissensão política

Mário Máximo

Resumo


O conflito de interesses é característico do processo político. Quando esse conflito se torna tão agudo que rompe a comunidade, nós temos o que os gregos chamavam de “stásis”, a dissensão política. Investigo neste texto a causa desse fenômeno a partir de Aristóteles. Argumento que Aristóteles enxerga a vida política como dividida fundamentalmente entre os interesses democráticos e os interesses oligárquicos. Assim, a stásis resulta da postura limítrofe de cada uma das facções diante do conflito. Na sequência, utilizo a teoria aristotélica para analisar o dissenso político nas sociedades modernas. Apresento a tese de que a modernidade oculta o conflito democrático-oligárquico sob a alegação do sucesso distributivo do mecanismo de mercado. Concluo que as razões para o dissenso político, entretanto, continuam vivas, a despeito do seu encobrimento.

 


Palavras-chave


Aristóteles, stásis, justiça distributiva, mérito, mecanismo de mercado

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, H. Sobre a revolução. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2011 (1963).

ARISTÓTELES. Ethica Nicomachea V 1 – 15: Tratado da Justiça. Tradução, notas e comentários de Marco Zingano. São Paulo: Odysseus Editora, 2017.

___________. Política. Tradução e notas de Antônio Campelo Amaral e Carlos de Carvalho Gomes. Lisboa: Vega Editora, 1998.

MOUFFE, C. Sobre o político. Tradução de Fernando Santos. São Paulo: Martins Fontes, 2015 (2005).

POLANYI, K. A subsistência do homem e ensaios correlatos. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

RANCIÈRE, J. O desentendimento: política e filosofia. Tradução de Ângela Leite Lopes. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2018 (1995).

RAWLS, J. A theory of justice: revised edition. Cambridge: Harvard University Press, 1999 (1971).

___________. O liberalismo político. Tradução de Dinah de Abreu Azevedo. 2. ed. São Paulo: Editora Ática, 2000 (1993).

TUCÍDIDES. História da Guerra do Peloponeso. Tradução de Mário da Gama Kury. 4. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília; Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2001.

ZINGANO, M. Introdução. In: ARISTÓTELES. Ethica Nicomachea V 1 – 15: Tratado da Justiça. São Paulo: Odysseus Editora, 2017. pp. 15-80.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Mário Máximo