Empiristas britânicos e as ideias abstratas

Mário Tito

Resumo


O artigo tem como função ampliar a discussão acerca das ideias abstratas entre os filósofos empiristas John Locke, George Berkeley e David Hume. É possível notar uma crítica de George Berkeley em seu Tratado sobre os princípios do conhecimento humano (1710) a John Locke com relação à temática dos termos gerais e das ideias abstratas tratadas em seu Ensaio acerca do entendimento humano (1689). Tal crítica feita por Berkeley parece se consolidar no Tratado da natureza humana (1738-1739) de David Hume que endossa na primeira parte de sua obra um texto relacionado aos termos gerais e às ideias abstratas. Para melhor compreender a discussão acerca da temática, o artigo será dividido basicamente em três partes principais antes de sua conclusão: 1) De que forma Locke compreende abstrações e os termos gerais; 2) o ataque de George Berkeley e sua concepção de ideias abstratas e termos gerais, e por fim 3) a posição de David Hume corroborando coma crítica de Berkeley e apresentando uma solução para os problemas da crítica de George Berkeley.

 


Palavras-chave


Berkeley, epistemologia, empirismo, filosofia, Hume, Locke, epistemologia

Texto completo:

PDF

Referências


BERKELEY, G. Tratado Sobre os Princípios do Conhecimento Humano. São Paulo: Abril, 1973.

HUME, D. Investigação sobre o Entendimento Humano. São Paulo: Abril, 1973.

HUME, D. Tratado da Natureza Humana. 2a. ed. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

LOCKE, J. Ensaio Sobre o Entendimento Humano. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

NORTON, D.; TAYLOR, J. (Ed.). The Cambridge Companion to Hume. 2a. ed. New York: Cambridge University Press, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Mário Tito