Revista Enunciação - v.4, n.1 (2019)

A presente edição da Revista Enunciação traz ao público artigos de participantes do 42os Encontros Nietzsche, o primeiro realizado em uma universidade da baixada fluminense, no belo campus de Seropédica da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Organizado pelos professores da UFRRJ Danilo Bilate e José Nicolao Julião, o evento foi promovido pelo Grupo de Pesquisa Humanismo e pelo Grupo de Estudos Nietzsche (GEN). Esta edição publica, além de textos de palestrantes professores doutores já prestigiados no universo brasileiro de estudos nietzschianos, dois textos de mestrandos do PPGFIL-UFRRJ, que apresentaram comunicações no mesmo evento, o que evidencia o caráter democrático do periódico, bem como a opção consciente e engajada de permitir-lhes o acesso ao público que lhes é merecido. Fecha a edição uma resenha sobre a publicação francesa dos poemas de Nietzsche.

A escolha para a capa da gravura renascentista de Albrecht Dürer, O cavaleiro, a morte e o diabo, de 1513 não tem nada de acidental. Muito admirada por Nietzsche, foi por ele dada de presente a Richard Wagner (como demonstra uma carta às suas irmã e mãe de 23 de dezembro de 1870) e a sua irmã, como presente de casamento (como sugere carta a Overbeck de 7 de maio de 1885). Inversamente, foi ele presentado com uma cópia da mesma por Adolf Vischer, pelo que Nietzsche demonstra bastante alegria em cartas à sua mãe (12 de março de 1875), à sua irmã (26 de março de 1875) e, por último, à Malwida von Meysenbug (pouco após 20 de março de 1875), onde ele lembra ter relacionado a figura do cavaleiro a Schopenhauer – e isso, sabemos, em O nascimento da tragédia, §20: “Nosso Schopenhauer foi esse cavaleiro de Dürer: toda esperança lhe faltava, mas ele desejava a verdade”.

De muitas interpretações possíveis – como a mais usual, que a relaciona ao Salmo 23, como o próprio Vischer sugeriu no verso de seu presente –, preferimos compreendê-la como um símbolo de coragem trágica daquele que escolhe enfrentar, altivo, as vicissitudes terríveis da vida. Mais do que uma exortação do amor fati ou do pessimismo da fortitude – Nietzsche a considerava como “símbolo  de nossa existência” (fragmento póstumo 9[85] de 1871) –, ela serve para representar, com muita modéstia, a opção por pensar criticamente, a despeito do sombrio contexto histórico que é o nosso. Como as possibilidades de interpretação são variadas, que fique ao caro leitor o convite para sugerir o personagem que quiser tanto à morte quanto ao diabo. 

Editor responsável: Danilo Bilate

Edição completa

Ver ou baixar a edição completa PDF

Sumário

Artigos

Scarlett Marton
PDF
Rosa Dias
PDF
Ivo da Silva Júnior
PDF
José Nicolao Julião
PDF
Stefano Busellato
PDF
Vânia Azeredo
PDF
Rodrigo Assumpção
PDF
Patrícia Boeira de Souza
PDF

Resenha

Resenha sobre os “Poèmes complets” de Nietzsche
Danilo Bilate
PDF